Escolas de Igarapé participam de projeto para reaproveitamento de resíduos orgânicos

0
45

As escolas de Igarapé estão participando de projeto piloto de montagem de leiras de compostagem. A iniciativa faz parte das ações do Recicla Mais Igarapé, desenvolvido pela prefeitura, e visa o reaproveitamento e compostagem dos resíduos orgânicos. O adubo produzido será disponibilizado para os espaços de jardim e hortas das escolas.

 Inicialmente, três escolas municipais e uma estadual fazem parte do projeto piloto de implantação de leiras – E.M. João Alves Pereira (Arco-íris); E.M. Professora Amélia Amaral e Silva (escola Bom Jardim); E. M. Mestra Donana (Novo Igarapé); e a Escola Estadual José Amâncio dos Santos. A intenção é expandir as informações para todos os alunos do município, que poderão vivenciar o processo, desde a geração até a reciclagem dos resíduos orgânicos, impactando positivamente a percepção ambiental na escola.

 A montagem das leiras começou em março e foi acompanhada pela equipe de coordenação das escolas,  professores e alunos. Paralelamente à montagem, a SEMA vem realizando palestras nas escolas  para sensibilização, motivação e orientação da segregação dos resíduos em três frações. Para isso, estão sendo capacitados tecnicamente o corpo docente da escola e as colaboradoras da cozinha. A alimentação das leiras é feita pelos técnicos da SEMA.

 Teatro

 No intuito de envolver a comunidade escolar e como forma de aprendizado lúdico, haverá apresentação, em junho, de peça teatral sobre o assunto, nas escolas municipais e na Escola Estadual José Amâncio dos Santos.

 Método simples

 As escolas receberão uma bombona identificada pelo projeto para armazenamento dos resíduos orgânicos. O sistema de leiras utilizado é denominado método UFSC (Universidade Federal de Santa Catarina), que atua através da termofilia. As leiras são alimentadas a cada 48 horas e podem receber grande quantidade de resíduos orgânicos. O método é versátil e tem funcionamento simples e eficaz. As leiras são feitas de maneira estruturada com uma base de matéria vegetal seca, principalmente galhos e materiais provenientes de podas. Ao receber os resíduos, uma mistura é feita para garantir a inoculação do composto. O sistema funciona com aeração passiva, garantindo o processo termofílico de compostagem.