Vendas de ar-condicionado aumentaram 46% em setembro

0
138
Divulgação / Pexels

Calor intenso num período pouco convencional: o inverno de 2023 no Brasil foi o mais quente das últimas seis décadas, segundo o Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet). Para tentar aliviar a sensação de desconforto, muita gente correu para as lojas atrás de ventiladores e aparelhos de ar-condicionado.

As vendas desses produtos dispararam e o aumento, em relação ao mesmo período do ano passado, foi de 46%, quando consideramos os aparelhos de ar-condicionado. Os dados são de uma pesquisa feita pelo Itaú Unibanco e mostram ainda que o total gasto com esses produtos aumentou 35% em relação a 2022. A pesquisa foi baseada nas compras pagas com cartão de crédito ou por Pix.

A advogada Maria Alice Coutinho mora em Independência, no Ceará, uma das regiões mais quentes do Brasil. Ela conta que pelo calorão que sentiu no inverno, quando a cidade chegou a registrar 41ºC,  imaginou que os preços aumentariam no verão e decidiu parcelar a compra do aparelho antes disso acontecer. Segundo ela, é outra vida dormir no quarto fresco.

“A gente consegue manter a qualidade de sono, consegue ter uma noite agradável, descansar e relaxar para no outro dia trabalhar melhor. Foi muito bom, uma aquisição muito boa”, comemorou a advogada.