Vereadores da Câmara Municipal de Arcos, na região Centro-Oeste do Estado, surpreenderam os mineiros com uma atitude pouco comum na política. Eles aprovaram, por 7 votos a 6, em um único turno, os Projetos de Resolução 1/2019 e 2/2019, que reduzem os seus próprios salários, do prefeito, do vice e de secretários municipais. A partir de 2020, os vereadores que hoje recebem R$ 6.149 de salário passarão a ganhar R$ 1.229; a redução é de 80%.

O salário do prefeito, que atualmente equivale a R$ 24 mil mensais, será reduzido em 50%, e o do vice, de R$ 6.400 mensais, passará para R$ 5.100. Os secretários municipais, que atualmente recebem R$ 7.900, passarão a ter salários de R$ 6.300, o que representa uma redução de 20%. O texto define que os valores serão pagos até o final de dezembro de 2024.

Em entrevista concedida ao jornal O Tempo, o presidente da Câmara Municipal e autor dos projetos, vereador Luiz Henrique Sabino (PSB), disse que “exceto os secretários, em relação aos outros agentes políticos não existe uma determinação legal de dedicação exclusiva. Então, vereador, prefeito e vice-prefeito podem ter outras profissões. O nosso vice-prefeito é professor e trabalha em três escolas. Eu sou vereador e médico”, afirmou Sabino. Durante a votação dos projetos, o placar chegou a ficar em 6 a 6, e, como presidente da Câmara Municipal, o autor das matérias usou o voto de Minerva para aprová-los. Com a considerável redução, cerca de R$ 5 milhões serão economizados.

Vereador Luiz Henrique Sabino (PSB).

O projeto que define os novos salários de prefeito, vice e secretários ainda depende de sanção do Executivo municipal. O novo salário dos vereadores já vale para o ano que vem.